Saltar os Menus

Eventos

O “S.O.S digital” foi uma iniciativa da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas criada em 2013 e destinada a esclarecer dúvidas relacionadas com gestão de informação digital e preservação digital. No primeiro semestre desse ano questões como a preservação digital, o governo eletrónico, a assinatura digital, … contaram com um espaço de atendimento aberto a todos. Funcionou como um compromisso entre o evento do tipo conferência, em que normalmente há pouco espaço para perguntas ou não há suficiente à vontade por parte dos participantes para colocarem questões e uma aula formal na universidade.

Em 2014 esta atividade sofreu um ajustamento, sendo alinhada com o projeto Continuidade digital veio a produzir um conjunto de ações públicas:

Próxima sessão:

Sessões realizadas:

o “Projeto ASIA – Avaliação Suprainstitucional da Informação Arquivística” (Alexandra Lourenço, Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas);
o “Questões de gestão de resíduos associadas aos procedimentos de eliminação de documentação em suportes especiais” (Ana Sofia Vaz, Agência Portuguesa do Ambiente);
o “RTP – Eliminação de suportes audiovisuais” (Pedro P. Santos, Rádio e Televisão de Portugal);

o “O Património Sonoro: Delimitação do objeto e seus problemas”(António Tilly INET-Md/Matéria do Som);
o “Museu do Fado – Arquivo Digital” (Pedro Félix);
o “Centro de Investigação e Informação da Música Portuguesa” (Miguel Azguime);
o “Rádio e Televisão de Portugal – Arquivo Histórico” (Eduardo Leite);
o “Rádio e Televisão de Portugal – Infraestrutura de Produção e Arquivo de Áudio Digital da RTP” (Hilário Lopes);
o “Sociedade Portuguesa de Autores – Arquivos Digitais e Direitos de Autor” (Ana Cardoso);
o “Europeana Sounds” (Inês Queiroz)

o “Preservação digital: um esforço solid(t)ário?” (Francisco Barbedo e Lucília Runa – DGLAB);
o Pensar o futuro da música contemporânea com o advento da tecnologia digital (Andreia Nogueira).

O projeto Continuidade Digital lançou um inquérito alargado cujo propósito se destina à recolha de informação sobre princípios e métodos utilizados para integrar recursos digitais em universos patrimoniais, bem como apurar a viabilidade da criação de um repositório comum de preservação de património digital.

o O projeto Continuidade digital: ponto de situação (Ana Rodrigues e Mário Sant’Ana – DGLAB);
o Recolha de dados oceanográficos (Artur Rocha – INESC TEC);
o ViBEST SHM – um repositório de dados de monitorização de estruturas de Engª Civil (Gabriel David, Fábio Costa e Álvaro Cunha – INESC TEC);
o A plataforma e-Science do projeto WindScanner.eu (João Correia Lopes – INESC TEC);
o Ontologias para descrição de dados: o caso da Mecânica de Fratura (João Castro – FEUP);
o LabTablet: recolha de metadados no terreno (Ricardo Amorim – FEUP);
o Dendro: uma ferramenta de organização e descrição de dados (Cristina Ribeiro INESC TEC e João Rocha – FEUP).

o 1 – O que se deve preservar, por Francisco Barbedo (vídeo);
o 2 – Hardware/Software, por Luís Corujo (vídeo);
o 3 – Obsolescência tecnológica, por Miguel Ferreira (vídeo);
o 4 – Formatos, por Francisco Barbedo (vídeo);
o 5 – Informação certificada, por Ana Maria Rodrigues (vídeo);
o 6 – Acesso, por Lucília Runa (video);
o 7 – Armazenamento, por Rui Rodrigues (video);
o 8 – Repositórios digitais, por Miguel Ferreira (video);
o 9 – Certificação de repositórios, por Miguel Ferreira (video):
o 10 – Custos, por Francisco Barbedo (video);
o 11 – Interoperabilidade, por Lucília Runa (video).

 

Para qualquer questão utilize o seguinte endereço eletrónico: dsiae@dglab.gov.pt

Última Actualização: 14 de Dezembro de 2016